Mês: outubro 2007

Dia das Bruxas

Mesmo sabendo que o Dia das Bruxas não existe no Brasil e que é uma efemeride tipica dos Estados Unidos, preciso fazer uma pequena homenagem a essas mulheres que não mais são do que pessoas corajosas, fortes e que sabem usar o instinto para conseguirem o que querem. Não é mágica o que elas fazem, é apenas força interior. Por isso semrpe foram tão perseguidas…

A Elvira não é tudo???

Anúncios

Vila Sésamo

Hoje estréia na TV Cultura o novo Vila Sésamo, um programa infantil bem fofo que faz sucesso no mundo todo e que fez parte da infância de quem era criança na década de 70 aqui no Brasil. Esse é o meu caso… eu assistia Vila Sésamo e adorava. Até hoje me lembro de quadros, musiquinhas e personagens… coisas tipo: “O carteiro mora muito perto de você… perto de você… e todo dia você vê”! Que saudades.

Sem duvida nenhuma, entre os personagens mais populares, os mais marcantes eram a dupla Ênio e Beto. Um super atrapalhado, mas suincero… o outro super rabugento mas gente boa…. todo dia sempre aparecia uma historinha nova deles e com certeza era meu momento mais esperado. Encontrei isso no Youtube e fiquei super contente… dêem uma olhada:

 

Pensando bem… hoje em dia… com um pouquinho de experiência a mais na vida… e muito menos ingenuidade… dois caras, morando juntos… dividindo tudo… um deles tomando tendo como “bichinhoi de estimação” um patinho de borracha…. uhmmmm… isso ta me cheirando babado e do forte! Pra acabar com qualquer dúvida, basta dar uma olhada nessa foto:

Sei não… essa mãozinha no ombro…. essa proximidade toda… as listras da roupa… o cabelinho espetadinho… será que é por isso que eu gostava e esperava tanto delo quadro deles????

Mêda!

Mais um exemplar para a série “Seres Abissais“. Vi essa foto no Papel Pop e não tinha como não trazer para o blog. Já tô me sentindo um curador do Museu de História Natural! Para quem não se lembra, essa é a Tori Spelling… aquela que ficou “famosa” fazendo o papel de Donna no seriado Barrados no Baile. Ela era assim:

E ficou assim:

O problema, é que antes disso, ela estava assim!

Entre um período e outro, ela fazia questão de mostrar que estava em fase de GRANDES mudanças…

Mêda… muita mêda…

Disfarce Fashion

Você que anda apavorado com a violência urbana… Você que não se sente mais seguro para andar a vontade pelas ruas dirigindo seu carrão e ostentando o rolex que acabou de ganhar da esposa… Você que não sabe nem que roupa usar pra sair de casa pois, afinal de contas, como saber o que vai acontecer? Sequestro relâmpago ou ataque de punks são duas situações completamente diferentes e que requerem um visual específico, horas bolas….

Seus problemas acabaram! Chegou o Personal Disfarceitor Giraya! A sua oportunidade de escapar da violência urbana e continar fashion!

Brincadeirinhas a parte, isso é verdade! Encontrei no blog do Sérdio Dávila e chequei no NYTimes… as Neusas estão ficando malucas!!

Eu criaria opções para costumizar o modelitcho… tipo… você estão na rua… vê aquele ex que não quer encontrar: VAPT! vira uma máquina de refrigerante… ou ainda… o patrão vem vindo e você não terminou o relatório: VAPT! Só que aí pode ser uma máquina de Xerox ou uma impressora matricial… Você acordou tarde, desceu todo desarrumado pra ir até a esquina só comprar o maldito pó de café que acabou e viu aquela bicha UÓ, super fofoqueira vindo na sua direção: VAPT! Vira um banheiro químico esquecido alí da época da passeata… o probelma só vai ser a gay querer entrar pra fazer uma linha banheirão e acabar te encontrando lá dentro… Mas pelo amor de Deus… em nenhum dos casos copiar o cabelo ordinário da japa!

Hellooooooo Baby!

Adoro, adoro, adoro os bichinhos da Ford… a girafa de óculos de gatinho é o máximo… mas não tem com a vaca não ser a minha preferida! Vesguinha e muito malandra! Voa, tem humor e ainda por cima já deu uns malhos no buldogue… ela é DEMAIS! Eu queria ser amigo da vaquinha da Ford….

Comer Rezar Amar

Eu adoro livros escritos em primeira pessoa. Tudo o que eu li recentemente e que me fez bem tinha suas histórias contadas pelo narrador. Talvez eu goste porque assim a narrativa leva um tom mais pessoal, ou pareça mais sincera… mas o que acaba me atraindo mesmo é que geralmente são livros com mais humor. Tô falando também de um gênero bem específico… histórias de mulheres que passaram por grande mudança na vida e narram isso tudo de forma leve e engraçada. Livros como “Melancia”, “Férias” e “Delírios de Consumo” (imperdível) são exemplos top dessa linha de livros que tem me atraido.

Atualmente estou lendo um que me atraiu, primeiramente, só de ver o título: “Comer Rezar Amar”… não é demais? Já na primeira página sabia que ia curtir e não estava enganado. Fico super feliz quando o livro acompanha meu dia-a-dia… quando fico com ele na cabeça o tempo todo e não vejo a hora de ter uma folguinha pra ler um capítulo que seja.

Logo de cara vi também que eu ía ficar muito mexido com a história… Liz é uma escritora que resolve tomar conta da sua vida e fazer um montão de coisas que gosta (viajar, conhecer, sentir e aprender) mesmo tendo de desistir de um casamento com um homem que a amava. Logo de cara, no primeiro capítulo, ela está ajoelhada, no chão do banheiro, no meio da madrugada e aos prantos pedindo uma luz pois seus desespero é tanto que ela não consegue ver uma saída. É nesse momento que ela começa a rezar, espontaneamente, e o livro começa. 

Achei que não conseguiria dar prosseguimento na leitura porque vivi uma situação muito parecida… MUITO mesmo. Fiquei parado, olhando para o livro e com medo de continuar… medo de enfrentar fantasmas e reviver emoções muito fortes que já pareciam… eu disse PARECIAM… estar resolvidas. Mas eu respirei fundo e toquei o bonde… ainda bem, o livro é ótimo e está me fazendo muito bem! A única diferença é que minha história não resultou num livro e nem passei um ano viajando… eu somente rezei, pedi e recebi a orientação, SEPAREI e mudei minha vida pra MUUUUUUUUUUITO melhor!

Impermanência

Eu sou budista…. quer dizer… sou mas não sou. Na verdade, gostaria de ser MAIS budista. Frequentar centros, saber fazer as praticas, ter mais atuitudes budistas. Há muito tempo me interesso e estudo o assunto… sempre encontro material interessante e posso dizer que tenho uma “alma budista”. Naturalmente levo minha vida de uma forma que poderia dizer que sou um Budista por natureza.

Hoje achei esse texto sobre impermanência no site do Centro de Budismo Tibetano Vajrayana. É muito bom saber que a vida muda, está sempre em movimento… essa é a maior das lições que tenho aprendido desde que comecei a me aprofundar no assunto. É uma entrevista com o Lama Tsering. A entrevista é toda muito esclarecedora, mas destaco especificamente esse trecho:

O que é a impermanência?

Lama Tsering – Encare sua vida como se fosse um banco no parque, em uma tarde de clima ameno. Você vai até lá passar algumas horas, sentado, aproveitando tudo ao máximo: a brisa fresca, os pássaros cantando, as borboletas, o sol batendo no rosto. Tudo aquilo dura pouco tempo e vai chegar ao fim. Por isso, você deve aproveitar o momento e criar boas condições.

Você não deve se apegar ao banco.

Não tente colocar uma etiqueta nele com o seu nome, querendo mantê-lo para você! Isso vai impedi-lo de sentir o prazer e a liberdade de estar lá, simplesmente sentado. E se alguém se sentar com você, seja gentil, tratando-a com amor e compaixão. Não brigue com esta pessoa.

Seu tempo é muito curto. Vocês estão ali apenas de passagem.

Ao lembrarmos de que tudo na vida é impermanente e chega ao fim, podemos ser generosos com ela, sabendo que provavelmente ela nunca pensa no fato de que terá que deixar o banco em breve, assim como você. Todos nós queremos manter as coisas e não conseguimos. Temos que ter compaixão por elas, e por nós mesmos. Compreender a impermanência nos faz ricos: temos tudo neste momento e podemos ser generosos, abertos, decididos a fazer o que pudermos para beneficiar a todos com o nosso amor, sem medo de perder.