Mês: junho 2008

Dia do Orgulho Gay

Quer um aboa surpresa? Assista esse video do com um trecho do programa da Ana Maria Braga de Hoje. É uma excelente aula sobre o que é o Dia do Orgulho Gay, um argumento fabuloso sobre o porquê da aprovação do projeto da Lei que criminaliza o ato Homofóbico e uma explicação muito clara e objetiva da razão de merecermos a aprovação do projeto de União Civil.

http://video.globo.com/Videos/Player/Entretenimento/0,,GIM847476-7822-CAUSA+GAY,00.html

Todo mundo fala da Ana Maria… xinga a Globo e torce por aquele programa da na Hickman, Brito Jrnior e Edu Gedes. Só que eu duvideodó que eles e a aquela emissora cederiam um segundo sequer pra tentar explicar ou esclarecer essas questões. Muito pelo contrário… evangélicos não ajudam em nada, só pensam em inadir o congresso, num ato de ódio, querendo brecar qualquer avanço na direção do escalrecimento e da liberdade.

Eu tenho muito orgulho de ser gay. Não porque sou melhor mais mais epsecial do que qualquer pessoa, mas porque eu sou assim e não me envergonho em nada do que eu faço. Trabalho, amo, me divirto, pago impostos, ajudo, não poluo, não mato e não roubo… sou digno e ciente dos meus atos. Porque, então, não psso ter uma lei que garanta o meu direito de ter paz e segurança e a cosntituição atual não permite isso. Posso ser demitido por ser gay? Sou menos importante por amar e me interessar por pessoas do mesmo seo que o meu? Não posso escolher para quem deixar meus bens e nem ser claro e espontâneo nos meus sentimentos?? Tudo é tão mais simples do que os contrários fazem parecer… essas leis não são para dar mais direitos a parte da população, mas sim, garantir que essa parte tenha direitos iguais aos demais. Como eu disse, direito de paz e segurança.

Karina

Acabei de ler no Terra:

“O Estado de Nova York adotou uma das políticas mais liberais dos Estados Unidos ao reconhecer que os menores de idade homossexuais mantidos em centros de detenção têm direito a utilizarem a roupa íntima do sexo com o qual se identificam e a serem chamados pelo nome de sua escolha.” (a notícia completa esta aqui)

Mais uma vez fico impressionado com o abismo que existe entre a nossa realidade e a de outors países. Aqui é tudo muito moderno, muito liberal mas alí na realidade, no “vamos ver” só recebemos provas que vivemos numa sociedade caretíssima, conservadora e muito retrogada… quase medieval. O que adianta termos a maior passeata do mundo ou podermos andar de mãos dadas ou namorando no quadrilatero da consolação, na frente de qualquer um mas no num ambito maior não conseguimos nem obter o direito a sermos nós mesmos em outras situações.

Essa notícia me lembrou um menino que conheci cerca de dez anos atras numa cidade do interior onde meus pais tinham casa. Esse menino chamava-se Ze Vicente e com cerca de oito anos AVISOU a mãe que queria ser chamado de Karina. Obvio que nesse momento a mãe chorou, o pai brigou e a cidade ficou chocada, mas Zé Vicente Karina não deu o braço a torcer. Assumiu sua vontade e passou a sair de casa somente com roupas de menina, fivela no cabelo e toda feminina. A coisa podia tee fedido pro lado dela, mas o que eu sei é que no fundo todos acabaram aceitando e convivendo com Karina sem grandes problemas. Tenho certeza que não foi fácil pra ela… muito coió ela deve ter levado… mas sela não desistiu e insistiu no seu desejo. Quando se formou no ginásio, Karina foi pedir à diretora autorização para ir à colação usando um vestido que ela mesmo tinha feito. Corajosa, não?

Karina é um exemplo dessas crianças que poderiam ter uma infancia muito menos sofrida e dolorida e muitomais digna se tivesse naturalmente encontrado apoio e informação na sua casa, com seus pais, na escola e também na sua cidade. Sua grande sorte foi ter nascido com uma coragem e uma força de vontade enormes e que permitiram que ela lutasse pra ter seu desejo interno atendido e acalmado.

Não sei como ela está hoje…. não sei o que aconteceu com Karina. Espero que esteja bem e vivendo sua vida com dignidade. E quando falo dignidade, não falo em vida certinha ou dentro dos “parametros”… falo em viver da forma que ela quer, do jeito que ela quer e como ela quer. Sendo feliz do jeito que ela é!

Phyllis Lyon e Del Martin

Phyllis e Del são duas respeitáveis senhoras americanas. Uma tem 87 anos e a outra 83. Vivem juntas há mais de 50 anos e no último dia 16 tornaram-se ainda mais respeitáveis ainda: casaram-se oficilamente numa cerimônia na prefeitura de São Francisco.

Phyllis e Dell foram as primeiras a participar dessa cerimônia que marcava o início da liberação da união civil gay no Estado da Califórnia. Acredito que ninguém mais do que elas tinham o direito de serem as primeiras a registrar oficialmente que se amam. Imagine só o que as duas passaram nesses 50 anos de companheirismo, coragem e cumplicidade?

Não tem com não ficar emocionado com a cena das duas se beijando durante a cerimônia. Não tem como não ficar impressionado com a força e dignidade que elas demonstram sem esforço algum.

Não consigo acreditar que ainda exista alguma pessoa que pense que elas não teriam o direito de se unirem civilmente. Não consigo crer que as pessoas ainda acreditem que casamento entre duas pessoas do mesmo sexo seja apenas safadeza e coisa do demonio. Não consigo imaginar que no final da primeira década do segundo milênio exista um ser humano que reduza uma necessidade e um desejo tão honesto e verdadeiro a um pecado imperdoável. Vamos todos viver de forma mais leve e generosa… vamos ficar felizes com a união de Phyllis e Del e torcer pra que o mundo perceba que ninguém quer liberar o casamento gay pra entrar numa igreja carregando um buquet de rosas e usando um véu quilométrico; mas sim garantir um direito que é de todo mundo: o direito de ser feliz e ter dignidade.

O Talentoso Sapo

Tenho um amigo muito querido. Um cara sensível, inteligente, engraçado e que escreve muito bem. Nesse exato momento ele passa por um momento difícil… grandes mudanças que PRECISAVAM  acontecer e que ele teve coragem de ir atras delas. Não vai ser fácil, mas ele vai conseguir, estou certo.

Em homenagem a ele e ao dia dos namorados, que é amanhã, aí vai um texto que peguei no blog desse meu amigo e que pode ajudar a clarear as idéias daqueles que procuram, procuram e não conseguem encontrar o tal principe encantado…

Sapos

Os sapos sempre tão interessantes.
Gosto deles.
Os príncipes me dão no saco, sempre perfeitos demais, engomados demais, fúteis demais.
Reparou que o príncipe sempre está preocupado: se o cabelo está arrumado, se o corpo está bonito se o cavalo ta branquinho, se o outro sabe que ele é belo se ele se ele se ele.
Príncipes são umbiguistas (sim eu invento palavras).
Os sapos não! estão lá na lagoa sem muitas preocupações tentando comer a primeira mosquinha.
Uma vida assim tão desapegada.
Têm historias, noturnas, vespertinas, se você parar para conversar com um sapo, vai se encantar.
Eles sempre ou quase sempre têm uma vida interessante.
Muitos deles são conscientes da condição anfíbia e não esperam um beijo para ser.
Eles são.
E o melhor é que eles sabem ser príncipes também.
Quando amados e descobertos… Ah meu amigo!
Pode acreditar que ele vai te fazer feliz.
São defensores de que a embalagem não diz nada.
Que a beleza é passageira e está além.
Muitos acham os sapos nojentos, feios e sem graças
Eu não.
Eu gosto dos verdinhos.
Não preciso do seu cavalo branco, de sua roupa engomada.
Venha desprovido de tudo e descobriremos o mundo!
Eu e meu sapo.

Falas Inesquecíveis

Uma das minhas paixões dos anos 90 era a Revista Premiere. Esperava ansioso todo mês a chegada de mais um exemplar importado lá na banca da Cidade Jardim e tenho até hoje, guardado todos que comprei. De vez em quando dou uma olhadinha e é engraçado ver a cara das estrelas duas décadas atrás. Hoje em dia me contento, muito de vez em quando, em dar uma passada no site da revista. Para mim o cinema não tem a mesma importância que tinha naquela época, quando eu assistia a  três filmes por semana no mínimo. Hoje, Tenho até vergonha de falar quando foi a última vez que fui ao cinema… Sei lá o que aconteceu, mas hoje prefiro acompanhar tudo meio de longe e sem tanto envolvimento.

Bem, outro dia, no site da Premiere, tinha um link que remetia a um artigo que apontava as 100 maiores falas da história do cinema… concordo com algumas, discordo de outras, trocaria algumas posições e sinto falta de muita coisa… mas no geral achei bem legal todo o artigo e fiquei feliz por já ter assistido a quase todos aqueles filmes ou pelo menos saber situa-los na história do cinema. Fiquei com tudo aquilo na cabeça e resolvi criar a minha própria lista… mas não de falas do cinema, mas sim de falas de novela que são de alguma forma inesquecíveis para mim! Vou fazer assim… vou escrevendo aqui conforme for lembrando e, tenho certeza que sempre vou me lembrar de alguma coisa porque sou super noveleiro e guardo com muita facilidade cenas que ficam marcantes para mim… vamos lá:

NOVELA:       Dancin´s Days
QUEM:            Julia Matos (Sônia Braga)
FALA:            “Não querida, não fui eu quem ligou errado… foi você que atendeu errado o telefone!”

NOVELA:        Paraiso Tropical
QUEM:            Bebel
FALA:             “Muito original esse casamento primaveril em pleno outono”

NOVELA:         Tieta
QUEM:             Ninete (Rogéria)
FALA:              Meu Nome é Valdemar!”

NOVELA:        Louco Amor
QUEM:            Patricia Dumont (Bruna Lombardi)
FALA:             “Odeio essa Burguesia Delirante”

NOVELA:       Vale Tudo
QUEM:           Celina (Nathalia Thimberg)
FALA:            “NÃO COMAM DESSA MAIONESE!!”

Becky Bloom

Você conhece a Becky Bloom? NÃO??? Pois então trate de ir correndo à livraria mais próxima e comprar o primeiro livro dessa maluca que tanto amo e não consigo mais viver sem suas aventuras. O livro é esse aqui, olha só:

Deixa-me então explicar quem é Becky Bloom: uma maluca, doida, desvairada que não consegue passar um segundo sem comprar alguma coisa. Claro que esse desespero consumista a coloca em confusões gigantescas que fazem você suar frio junto com ela tentando imaginar qual será a saida daquela merda toda. Mas não se preocupe, tudo é contado com extremo bom humor… é daqueles livros que fazem você gargalhar como se estivesse vendo um filme dos irmãos Marx.

Descobri a Becky meio que sem querer e em duas páginas já estava viciado. Chego a sentir saudades dela quando o livro termina. Uma vez ria tanto no meu quarto que minha mãe veio bater na porta pra saber quem era a pessoa que estava me fazendo tão feliz… e é isso que ela (a Becky, não minha mãe) consegue comigo: ela me deixa feliz e faz com que eu desligue de tudo. Só esclarecendo.. minha mãe também me faz feliz… a única diferença é que ela fala MUITO mais que a Becky…

É por causa Becky que eu criei um “bordão” típico meu.. Todo mundo que gosta de uma novidadezinha no armário se identifica com a Becky  eu não poderia ficar de fora disso… Não chego nem ao pés dela, mas as vezes fico tentando me convencer que preciso MUITO de uma pecinha nova. Então, quando entro na Zara, por exemplo, e vejo um casaco lindo de trico preto com bolsos de nylon e ziper gigantesco, eu penso comigo: “Preciso levar um desses porque eu to MUITO sem casaco de trico preto com bolsos de nylon e ziper gigantesco!”