GLS

UUUUUUUUUUUUUIA!

Que Felipe Massa que o quê… Que Hamilton de %$¨#@* coisa nenhuma! De agora em diante só vou torcer para o Timo Glock, o tal alemão que todo mundo esta xingando por ter estragado a festa do povo ontem no encerramento da Formula 1. Deem uma olhada e desculbram se eu não estou certo…

No on Prop 8

Dando sequência à série Não Homofobia, encontrei essa animação bem legal criada para para ser usada contra a campanha que acontece paralaelamente lá nos Estados Unidos, a “No on Prop 8“. Essa proposta 8 é um projeto de lei que tenta de uma vez por todas acabar com a possibilidade do casamento gay ou a luta contra qualquer forma de homofobia ser aprovada naquele país. O desenho é fofo  e a mensagem corretíssima: “cada um sabe da sua vida e faz de tudo para ser feliz. Impedir um casamento entre pessoas do mesmo sexo não é nenhum tipo de impedimento delas continuarem a vida como já levam. Muitas vezes já se consideram casadas. O aval do Estado, o papel assinado é apenas uma forma de afirmar seu amor ao mundo, assim como o casamento entre heterossexuais. All about Love. No on Prop 8!”.

Fico impressionado como é simples vender essa idéia… porque pessoas acham tão difícil comprá-la?

Ordem do Dia

A partir desse momento, quem entrar nesse blog, vai clicar nessa imagem ai acima e colocar sua assinatura a favor da lei que crimanaliza a homofobia. Se você não fizer isso, vai de ser a pessoa legal, descolada, sensível e especial que você é!

Being Gay

Se voce ainda tem alguma dúvida…se voce ainda no sabe o que fazer da vida… e se voce ainda continua com “aquela” duvida cruel, assista esse comercial e decida-se!

Mas vou ser bem sincero… não preste muita atenção à parte que ele diz que “não custa quase nada”… isso é mentira!

Pais e Filhos

Ok… o assunto do momento, pra mim, é intolerancia. Por alguma razão tenho pensado muito nisso e é o assunto que mais me pega no momento. A razão disso acontecer eu até sei, mas não vem ao caso falar disso aqui. Eu resolvo comigo mesmo…

Tentei evitar falar no assunto Isabeli Homofobica porque acho, sinceramente, uma bobeira. Não vou dar trela pra uma pessoa cujo nome termina em “i”. Mas hoje encontrei esse texto do Sergio Ripardo para a coluna Destaques GLS da UOL que é um tapa na cara da fofa e de todo mundo que adora uma frase feita e não pensar antes de dizer uma asneira . Dêem uma olhada…

Faça as Pazes com seu Filho Gay

SÉRGIO RIPARDO – Editor de Ilustrada da Folha Online

“Em algum lugar, há um filho gay ou lésbica que chora a distância de seu pai e sua mãe. Às vezes, diante da rejeição familiar, um dos caminhos é o exílio. É preciso sobreviver emocionalmente e tentar viabilizar uma identidade sexual sem mentiras nem pressões e, em muitos casos, sem violência.

Gays e lésbicas fogem das cobranças de cumprir o script heterossexual, dos pitis dos pais, da lembrança constante de ser um fracasso em relação às expectativas do clã, das situações de vexame, escárnio e vergonha. Não é fácil ser a “ovelha negra” (ou pink) ou a “lepra” da família (termo banido, mas a sensação é essa).

Para os pais que se arrependem de ter repelido seus rebentos devido à orientação sexual, há sempre a chance de repensar suas posições e buscar a reconquista da confiança de seu filho.

É preciso tentar entendê-lo. Aproxime-se. Faça um mea-culpa na condução desse conflito. Prove que suas atitudes mudaram. Expresse sua aceitação tardia. Livre-se das idéias de um mundo atrasado, ultrapassado e autoritário. Ninguém tem culpa de sentir qualquer tipo de desejo. Reprimir só gera monstros.

Não seja durão. Desprezar um filho que tenta ser autêntico e verdadeiro não é a melhor dívida a se ter na vida. Primeiro, busque informação. Converse com outros pais. Seja humilde. reconheça suas limitações, mas deixe claro seu esforço em ser mais humanista. Drible a insistência no mundo das mensagens subliminares que perpetuam o ódio ao diferente.

Não precisa ser militante nem proclamar aos quatro ventos que seu filho é gay. Não precisa nem participar de uma Parada Gay, embora essa experiência seja importante para se convencer do conceito “diversidade”. Por mais óbvio que seja, não há um único modelo ou embalagem de “ser gay”. No cotidiano, enfrente as dificuldades com seu filho. Não implique com seus namorados nem com a troca de carinho entre eles (ou elas).O parceiro dele pode ser mais velho, pode ser mais efeminado ou masculinizado ou simplesmente um vigarista e aproveitador. Mas não julgue nem interfira explicitamente. Não invada a privacidade dele. Não mexa nas suas coisas procurando provas. Não espione. Não force uma barra. Não o encha de perguntas.

Ao ouvir pela primeira vez seu filho saindo do armário, não surte. Não torne as coisas mais dramáticas nem traumáticas. Não seja abusivo. Não reze. Não chore. Não marque uma consulta médica. Apenas abrace. Apenas beije. Não precisa de palavras. Apenas controle o seu pensamento e as suas ações na busca de respostas para estas questões: como posso manifestar meu apoio de pai ou mãe? Como posso deixar claro que estarei ao seu lado e sempre o defenderei? Como posso evitar magoá-lo emitindo algum sinal inconveniente ou ofensivo? Como posso me tornar superior ao senso comum dos preconceitos? Como posso explicitar o meu respeito a sua individualidade e ao seu direito de ser livre e feliz? “

Dia do Orgulho Gay

Quer um aboa surpresa? Assista esse video do com um trecho do programa da Ana Maria Braga de Hoje. É uma excelente aula sobre o que é o Dia do Orgulho Gay, um argumento fabuloso sobre o porquê da aprovação do projeto da Lei que criminaliza o ato Homofóbico e uma explicação muito clara e objetiva da razão de merecermos a aprovação do projeto de União Civil.

http://video.globo.com/Videos/Player/Entretenimento/0,,GIM847476-7822-CAUSA+GAY,00.html

Todo mundo fala da Ana Maria… xinga a Globo e torce por aquele programa da na Hickman, Brito Jrnior e Edu Gedes. Só que eu duvideodó que eles e a aquela emissora cederiam um segundo sequer pra tentar explicar ou esclarecer essas questões. Muito pelo contrário… evangélicos não ajudam em nada, só pensam em inadir o congresso, num ato de ódio, querendo brecar qualquer avanço na direção do escalrecimento e da liberdade.

Eu tenho muito orgulho de ser gay. Não porque sou melhor mais mais epsecial do que qualquer pessoa, mas porque eu sou assim e não me envergonho em nada do que eu faço. Trabalho, amo, me divirto, pago impostos, ajudo, não poluo, não mato e não roubo… sou digno e ciente dos meus atos. Porque, então, não psso ter uma lei que garanta o meu direito de ter paz e segurança e a cosntituição atual não permite isso. Posso ser demitido por ser gay? Sou menos importante por amar e me interessar por pessoas do mesmo seo que o meu? Não posso escolher para quem deixar meus bens e nem ser claro e espontâneo nos meus sentimentos?? Tudo é tão mais simples do que os contrários fazem parecer… essas leis não são para dar mais direitos a parte da população, mas sim, garantir que essa parte tenha direitos iguais aos demais. Como eu disse, direito de paz e segurança.

Karina

Acabei de ler no Terra:

“O Estado de Nova York adotou uma das políticas mais liberais dos Estados Unidos ao reconhecer que os menores de idade homossexuais mantidos em centros de detenção têm direito a utilizarem a roupa íntima do sexo com o qual se identificam e a serem chamados pelo nome de sua escolha.” (a notícia completa esta aqui)

Mais uma vez fico impressionado com o abismo que existe entre a nossa realidade e a de outors países. Aqui é tudo muito moderno, muito liberal mas alí na realidade, no “vamos ver” só recebemos provas que vivemos numa sociedade caretíssima, conservadora e muito retrogada… quase medieval. O que adianta termos a maior passeata do mundo ou podermos andar de mãos dadas ou namorando no quadrilatero da consolação, na frente de qualquer um mas no num ambito maior não conseguimos nem obter o direito a sermos nós mesmos em outras situações.

Essa notícia me lembrou um menino que conheci cerca de dez anos atras numa cidade do interior onde meus pais tinham casa. Esse menino chamava-se Ze Vicente e com cerca de oito anos AVISOU a mãe que queria ser chamado de Karina. Obvio que nesse momento a mãe chorou, o pai brigou e a cidade ficou chocada, mas Zé Vicente Karina não deu o braço a torcer. Assumiu sua vontade e passou a sair de casa somente com roupas de menina, fivela no cabelo e toda feminina. A coisa podia tee fedido pro lado dela, mas o que eu sei é que no fundo todos acabaram aceitando e convivendo com Karina sem grandes problemas. Tenho certeza que não foi fácil pra ela… muito coió ela deve ter levado… mas sela não desistiu e insistiu no seu desejo. Quando se formou no ginásio, Karina foi pedir à diretora autorização para ir à colação usando um vestido que ela mesmo tinha feito. Corajosa, não?

Karina é um exemplo dessas crianças que poderiam ter uma infancia muito menos sofrida e dolorida e muitomais digna se tivesse naturalmente encontrado apoio e informação na sua casa, com seus pais, na escola e também na sua cidade. Sua grande sorte foi ter nascido com uma coragem e uma força de vontade enormes e que permitiram que ela lutasse pra ter seu desejo interno atendido e acalmado.

Não sei como ela está hoje…. não sei o que aconteceu com Karina. Espero que esteja bem e vivendo sua vida com dignidade. E quando falo dignidade, não falo em vida certinha ou dentro dos “parametros”… falo em viver da forma que ela quer, do jeito que ela quer e como ela quer. Sendo feliz do jeito que ela é!